segunda-feira, 29 de setembro de 2008

De água I







Tão fácil quanto amá-lo assim, distante
É enviar-te versos de um amor
Que é naturalmente a vida
A fluir num rio que corre em mim
E desaba num rosto que , triste,
Se faz concêntrico como uma rocha
E vertiginoso como o vento
...
Não é fácil.


(27/09/2008)

Um comentário:

Liquificadorizando disse...

Cheguei aqui pelo Blog "Tiro Curto" e adorei o que li. Confesso que gostei muito mais dos textos do que dos desenhos, rs
Mas acredito que faça parte da proposta.

Sucesso!

Alexandra Periard.